TRANSMISSÃO DE SABER E REFORMA DISCIPLINAR EM ESCOLAS EM PRISÕES MEMÓRIA E CONSTRUÇÃO SUBJETIVA

  • Francisco Ramos de Farias Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Departamento de Fundamentos da Educação
  • Lobelia da Faceira Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social
Palavras-chave: Memória social – educação – prisão – transmissão de saber

Resumo

O artigo analisa a transmissão do saber no âmbito das escolas prisionais, destacando a memória social das prisões, como espaço de punição e educação, e o ato de transmissão do saber como possibilidade de coerção ou criação de subjetividade. Refletir sobre a educação em espaços prisionais é tentar desvendar as transformações possíveis desenhadas em um lugar, a priori, marcado pelo controle e pela estaticidade; compreendendo o cotidiano como um campo de forças em luta, onde é possível desenvolver alternativas de vida em termos de criação, e não simplesmente a reprodução de práticas naturalizadas. O artigo analisa a transmissão de saber no âmbito da escola em prisão, como um tipo de experiência atravessada pela singularidade, edificada em rastros de memória.

Biografia do Autor

Francisco Ramos de Farias, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Departamento de Fundamentos da Educação
acharel e Psicólogo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1978), Especialista em Psicologia Clínica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre em Psicologia, área Motivação e Aprendizagem pela Fundação Getúlio Vargas - RJ (1983) e Doutor em Psicologia, área Psicologia Cognitiva, pela Fundação Getúlio Vargas - RJ (1987). Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2. Atualmente é consultor Ad Hoc da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), professor associado da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, do Departamento de Fundamentos da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Memória Social, Ex-editor responsável do periódico Actas Freudianas da Sociedade de Estudos Psicanalíticos de Juiz de Fora, Ex-diretor de cultura, pesquisa e publicações da Sociedade de Estudos Psicanalíticos de Juiz de Fora. Consultor do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Assessor Científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Publicou pela Editora Revinter: Histeria e Psicanálise, A pesquisa nas ciências do sujeito e Psicose: ensaios clínicos; pela Editora 7Letras: Por que, afinal, mata
Lobelia da Faceira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social
Graduação em SERVIÇO SOCIAL pela Universidade Castelo Branco (1995), mestrado em SERVIÇO SOCIAL pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2001) e DOUTORADO em EDUCAÇÃO pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2009). Atualmente é professora adjunta da Escola de Serviço Social e do Programa de Pós Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Tem experiência na área de Educação e sócio-jurídica, com ênfase em Planejamento e Avaliação, tendo como linha de pesquisa "Direitos Humanos, Segurança Pública e Política Penitenciária

Referências

Adorno, Theodor W. (2012). Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra.

Aguirre, Carlos. (2009). Cárcere e sociedade na América Latina, 1800-1940. In: Maia, Clarissa Nunes. et ali. (orgs) História das prisões no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, v. I.

Barthes, Roland (1989). A aula. São Paulo: Cultrix.

Bitencourt, Cezar Roberto. (2011) Falência da pena de prisão. São Paulo: Saraiva.

Dores, Antonio Pedro. (2012). Prisões e globalização. In: Coelho, Maria Thereza Avila Dantas e Filho, Milton Julio de Carvalho. (orgs). Prisões numa abordagem interdisciplinar. Salvador: Edufba.

Faceira, Lobelia da Silva. (2013). Lei de execuções penais: um olhar sobre a assistência à pessoa presa. In: Julião, Elionaldo Fernandes (org). Educação para jovens e adultos em situação de restrição e privação de liberdade. Jundiaí: Paco Editorial.

Gondar, Jô. (2005). Quatro proposições sobre memória social. In: ______ e Dodebei, Vera. (orgs). O que é memória social? Rio de Janeiro: Contra Capa.

Ireland, Timothy D. (2011). Educação em prisões no Brasil: direito, contradições e desafios. Em Aberto. Brasília: v. 24, n. 66.

Onofre, Elenice Maria Cammarosano e Julião, Elionaldo Fernandes. (2013). A educaçãoo na prisão como política pública: entre desafios e tarefas. Educação e Realidade. Porto Alegre: v. 38, n. 1

Sá, Geraldo Ribeiro. (1996). A prisão dos excluídos. Juiz de Fora: Edufjf.

Vieira, Elizabeth de Lima Gil. (2013). A cultura da escola prisional: entre o instituído e o instituinte. Educação e Realidade. Porto Alegre: v. 38, n. 1.

Wacquant, Loic. (2001). Prisões da miséria. Rio de Janeiro: Zahar.

Publicado
2016-07-01