Apontamentos críticos referentes à cartografia sobre a compreensão em ser professor de verdade a partir de Jacques Rancière

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2020.v13.n1.a555

Palavras-chave:

Professor. Educação. Emancipação. Verdade.

Resumo

Este ensaio tem como objetivo redefinir o conceito de ser professor de verdade numa perspectiva crítica em relação à hegemonia do ensino instrumental. A nossa metodologia se encontra no campo da Filosofia da Educação, a partir do conceito de Jacques Rancière de “mestre ignorante”. Para tanto, busca-se analisar o processo formativo como resultado dos caminhos percorridos nas práticas sociais educativas que determinam uma concepção de mundo em que os sujeitos, em grande parte, perdem a sensibilidade perante a vida em coletividade, desconstruindo a noção de cidadania. Portanto, o método utilizado tem como proposição investigativa o campo da teoria crítica na análise do conceito de educação como processo que se estabelece numa relação de igualdade entre os sujeitos. A principal conclusão do ensaio é que a passagem para posição de professor não deveria ocorrer na polaridade entre aqueles que sabem e os outros que não sabem. Compreendemos a passagem para a posição do professor como algo que se constrói no interior da atividade educativa e se constitui numa resignificação dos espaços da transmissão da cultura escolar, no sentido de proporcionar a experiência vivida numa relação entre iguais, para se buscar alguns pontos de fuga do modelo de sociedade alienante.

Biografia do Autor

Rogério Rodrigues, Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Graduação em Educação Física; Mestre em Educação (UNICAMP); Doutor em Educação (UNICAMP). Pós Doutor em Filosofia da Educação (USP). Pesquisador do programa de mestrado em Desenvolvimento, Tecnologia e Sociedade e docente da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI).

Referências

ADORNO, Theodor W. & HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Trad. Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

ADORNO, Theodor. Educação e Emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Trad. Mauro W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2011.

COLLODI, Carlo. As Aventuras de Pinóquio. São Paulo: Iluminuras, 2002.

FREUD, Sigmund. La negacion. 1925. In: ________. Obras Completas Sigmund Freud. v. III. Trad. Luis López-Ballesteros y de Torres. Madrid: Biblioteca Nueva, 1996.

LAJONQUIÈRE, Leandro. De Piaget a Freud: a (psico)pedagogia entre o conhecimento e o saber. 3ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1992.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad. Lílian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

RANCIÈRE, Jacques. Prefácio ao Le Philosophe et ses pauvres. Tradução e notas de Paulo Henrique Fernandes Silveira. In: rapsódia – almanaque de filosofia e arte (Departamento de Filosofia – FFLCH), V, 11, p. 33-43, Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rapsodia/article/view/143784 Acessado em 15 de maio de 2019.

RETIRADO DO TEXTO, 2004 (Tese de Doutorado).

RODRIGUES, Rogério. A prática educativa como uma atividade de desencontro de sujeitos. In: Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, V. 33, N° 33, p. 445-458, set/dez. 2007.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Trad. Paulo Perdigão. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

Downloads

Publicado

2020-04-30