PRECISAMOS FALAR SOBRE THANOS!

a relação subjacente, na trama ficcional Avengers – Infinity War, entre um titã louco e um economista inglês do século XVIII

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2020.v13.n2.a605

Palavras-chave:

Cinema;História; Marvel Comics; Thomas Malthus

Resumo

O cinema nas últimas décadas atingiu um ápice de produção e arrecadação até então nunca vivenciada. A franquia Marvel Studios é uma delas, arrecadando valores na casa dos bilhões de dólares em bilheteria. Essas peculiaridades, chamaram a atenção dos autores, de modo que, o presente texto busca analisar esse blockbuster trazendo à luz, narrativas e elementos subjacentes que remontam, econômica e filosoficamente, pressupostos oriundos do séc. XVIII. Especialmente, a Tese Malthusiana de controle populacional. Metodologicamente, realizou-se uma “decopagem” do filme Avengers: Infinity War, como proposta de interpretação e compreensão de como e por quê uma franquia de renome elegeu como “pano de fundo” de sua trama ficcional, o ideário de Thomas Malthus (1766-1834). Os elementos constatados, subjacentes, ao enredo do filme são provocativos e reveladores.

Biografia do Autor

Jander Fernandes Martins, Universidade FEEVALE

Mestre em Processos e Manifestações Culturais (FEEVALE). Especialista em TIC na Educação (FURG). Pedagogo(UFSM).

Referências

BALDISSERA, José Alberto.; RUINELLI, Tiago de Oliveira. 'Tempo e Magia': A história vista pelo Cinema. Porto Alegre: Escritos, 2014.

BHABHA, Homi. O local da Cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte – Editora UFMG, 1998.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Trad. Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. 3ª ed – São Paulo: EDUSP, 2000.

CHARTIER, Roger. O mundo como Representação. Revista Estudos Avançados. Vol. 11. Nº 5, 1991.

ECO, Umberto. (Org.) História da Beleza. Trad. Eliana de Aguiar, Rio de Janeiro: Record, 2013.

__________. História da Feiura. Trad. Eliana de Aguiar, Rio de Janeiro: Record, 2014.

GANCHO, Cândida Vilares. Como analisar narrativas. 7ª edição. 8ª impressão. rev. Ampl. Editora Ática, s/d. [Versão digital].

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas, Rio de Janeiro: LTC, 1989.

HALL, Stuart. The work of representation. In: _____. Representation: cultural representations and signifying practices. London/TheLondon/Thousand Oaks/New Delhi: Sage/The Open University, 1997.

________. A identidade cultural na pós-modernidade. 9ª Ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

HOBSBAWM, Eric. A Era das Revoluções: Europa 1789-1848. Trad. Maria Tereza Lopes Teixeira e Marcos Penchel. 3ª ed. Paz & Terra, 1981.

MAFFESOLI, Michel. O imaginário é uma realidade. (Entrevista) In: Revista FAMECOS. Porto Alegre, nº 15, agosto, 2001. Disponível em:
http://200.144.189.42/ojs/index.php/famecos/article/viewArticle/285.

MALTHUS, Thomas R. Princípios de Economia Política e Considerações sobre sua Aplicação Prática. Ensaio sobre a População. Apresentação de Ernane Galvêas. Traduções de Regis de Castro Andrade, Dinah de Abreu Azevedo e Antonio Alves Cury. São Paulo – SP, Círculo do Livro Ltda.1996.

MAUSS, Marcel. Esboço de uma Teoria Geral da Magia. IN: Sociologia e Antropologia. Trad. Paulo Neves. 2ª ed. São Paulo: Cosac Naify, 2015a.

__________. Ensaio sobre a dádiva-forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. IN: Sociologia e Antropologia. Trad. Paulo Neves. 2ª ed. São Paulo: Cosac Naify, 2015b.

MAUSS, Marcel; HUBERT, Henri. Sobre o sacrifício. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

MÉSZÁROS, István. Para além do Capital. Trad. Sérgio Lessa e Paulo Cezar Castanheira, 3ª reimpressão, São Paulo, Ed. Boitempo, 2009.

MORETTIN, Eduardo Victorio. O cinema como fonte histórica na obra de Marc Ferro. IN: CAPELATO, Maria Helena [et al] (org.). História e Cinema: Dimensões do audiovisual. 2ª Ed. São Paulo: Alameda, 2008, p. 39-64.

NAPOLITANO, Marcos. A História depois do papel. IN: PINSKY, C. B. (org.) Fontes Históricas. 3ª Ed, São Paulo: Contexto, 2014.

______________. A televisão como documento. IN: BITTENCOURT, C. (org.) O saber histórico em sala de aula. São Paulo: Contexto, 2008

OLIVEIRA, J. L. M. de. O estudo da religião na universidade. Curso: formação básica. 1ª unidade. Disciplina: Antropologia da Religião. Universidade Católica de Brasília – UCB.

WAGNER, Roy. A invenção da Cultura. Tradução Marcela Coelho de Souza e Alexandre Morales. São Paulo. Cosac Naify, 2010.

VALIN, A. B. História e cinema. In: CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R. (org.) Novos Domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. IN: SILVA, T. T. da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

Downloads

Publicado

2020-08-31