IDENTIDADE PROFISSIONAL E O ESTIGMA SOCIAL DO PROFESSOR READAPTADO

Palavras-chave: readaptação profissional, identidade, mal-estar, estigma social.

Resumo

Este artigo é um recorte elaborado a partir dos resultados dissertação de Mestrado intitulada: Professores readaptados de um município do litoral norte de SP: Mudanças e contradições. O método empregado para realização da pesquisa foi uma pesquisa básica de caráter exploratório, descritivo de abordagem qualitativa, realizada na rede municipal de ensino de um município do litoral norte paulista. A população deste estudo se compôs por adesão de 12 professores readaptados permanentemente. A coleta de dados foi realizada no mês de maio de 2016 por meio da técnica de questionário estruturado. Foram utilizados como referencial os documentos oficiais da Secretaria Municipal de Ensino. Os resultados demonstraram que, apesar da readaptação ser uma estratégia para mitigar os problemas que causam sofrimento ao professor, esta estratégia não vem alcançando objetivos, uma vez que os professores ao serem readaptados sentem-se tolhidos de sua identidade profissional e excluídos do meio social a qual se prepararam ideológica e profissionalmente para viver por toda sua trajetória profissional. O estudo aponta que são necessárias intervenções e novas políticas públicas para reintegração e acompanhamento psicológico e emocional permanente aos professores que estão readaptados ou em fase de readaptação.

Biografia do Autor

Gisele Nepomuceno Ferreira, UNITAU - UNIVERSIDADE DE TAUBATE
Mestranda do curso de Desenvolvimento Humano: formação de Políticas e Práticas Sociais, pelo Programa de Pós-Graduação e Mestrado pela Universidade de Taubaté - UNITAU. Psicóloga, formada pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC (2009), Pós- Graduada, especialista em Administração de Recursos Humanos pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC (2011). Professora orientadora de TC do curso de Pós Graduação em Gestão Pública da Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP na área de conhecimento de Gestão de Pessoas.
Rachel Duarte Abdala, UNITAU - UNIVERSIDADE DE TAUBATE
Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1999), graduação em Licenciatura em História pela Universidade de São Paulo (1999), mestrado em Educação pela Universidade de São Paulo (2003) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2013). Atualmente é professora assistente da Universidade de Taubaté e coordenadora pedagógica do Curso de História da mesma instituição. Coordenadora do subprojeto de História do PIBID-Programa Institucional de Bolsas de Incentivo à Docência na UNITAU. Líder do Núcleo de Pesquisas em História NPH-UNITAU. Coordenadora de projetos de extensão. Tem experiência na área de História, com ênfase em História, atuando principalmente nos seguintes temas: fotografia, representação, educação, cultura e reforma.

Referências

ANTUNES, S. M. P. S. N. Readaptação Docente: trajetória profissional e identidade. Mestrado em Educação. Faculdade de Humanidades e Direito da Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo – SP, 2014. Disponível em:

<https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/cadernosdeeducacao/article/view/5075> . Acesso em: 03 mar. 2017

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.Inquietações da vida contemporânea e suas formas atuais de organização: uma relação de imanência.

DEJOURS, C. O trabalho como enigma. In: LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004. p. 127-140.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de 281 Janeiro: Zahar, 1975. 158p.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os Pensadores), 1974. p. 7-54

MINAYO GOMEZ, C. Campo da saúde do trabalhador: trajetória, configuração e transformação. In: MINAYO GÓMEZ, C. et al. (Orgs.). Saúde do trabalhador na sociedade brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011. p.23-34.

NÓVOA, A.; HAMELINE, D. Profissão Professor. NÓVOA, A. (Org.). Porto: Porto Editora, 1991.

NÓVOA, Antônio (Coord.). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

GOFFMAN, E. Estigma – notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 1963. Digitalização 2004. Disponível em: file:///C:/Users/Luciana/Downloads/ESTIGMA%20-

%20Erving%20Goffman.pdf . Acesso em: jun/17.

SOUZA, K. R. et al. Trajetória do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (SEPE-RJ) na luta pela saúde no trabalho. Ciência e Saúde Coletiva, v. 8, n. 4, p. 1057-1068, 2003.

SOUSA, I.F.; MENDONCA, H. Burnout em professores universitários: impacto de percepções de justiça e comprometimento afetivo. Psic. Teor. e Pesq. Brasília, v.25, n.4,p 499-508, 2009.

SOUZA, K.R.; BRITO, J.C . Sindicalismo, condições de trabalho e saúde: a perspectiva dos profissionais da educação do Rio de Janeiro. Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro, v.17, n.2, p.379-388, 2012

Publicado
2017-10-24