CIDADES CRIATIVAS DA UNESCO NO BRASIL

uma pesquisa exploratória sobre o comportamento do poder público na implementação de estratégias e estratégias voltadas à economia da cultura durante a pandemia provocada pela COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2020.v13.n2.a641

Palavras-chave:

Cidades Criativas, Indústria Criativa, Economia Criativa, Economia da Cultura

Resumo

Este artigo propõe uma análise exploratória acerca das ações do poder público das cidades brasileiras que compõem a rede UNESCO de Cidades Criativas, na elaboração de ações para auxílio e fomento da economia da cultura durante o isolamento social provocado pela crise sanitária mundial no período da pandemia de corona vírus. Primeiramente, realiza-se a contextualização teórica, discutindo os conceitos de Cidades Criativas e economia da Cultura, apresentando a composição teórica que sustenta o percurso desenvolvido, em seguida analisam-se os dados levantados sobre as cidades brasileiras que compõem a rede, a partir da extração de informações contidas nos endereços eletrônicos das plataformas institucionais das cidades observadas. Por fim, apontam-se considerações que relatam as ações promovidas pelas cidades, retratando diferentes comportamentos do poder público e alguns aspectos que demonstram atuações com baixo impacto no alcance do fomento da economia da cultura durante as dinâmicas transformações do mercado provocadas pelo isolamento social, mas que também refletem a necessidade de uma melhor estrutura de distribuição de recursos e alcance das estratégias de fomento mesmo em condições normais. Este artigo compõe o desenvolvimento de trabalhos interdisciplinares oriundos do programa de mestrado interdisciplinar de Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade da Universidade Federal de Itajubá.

Biografia do Autor

Marcelo Ferreira de Sousa, Universidade Federal de Itajubá

Formado em Educação Física pela Universidade do Vale do Sapucaí, Pós Graduado em Educação Física Escolar pela FINOM, Filosofia pela Universidade Federal de Lavras, Especialista em Gestão e Políticas Culturais pela Universidade de Girona - Espanha, Mestrando em Desenvolvimento Tecnologias e Sociedade pela Universidade Federal de Itajubá. 

Quatro anos de experiência na facilitação de programas de aceleração de negócios e gerenciamento de projetos e treinamentos em inovação a partir das abordagens do Design Thinking. Oito anos de experiência como gestor público, quatro anos como educador no ensino fundametal e médio da rede estadual de ensino de Minas Gerais. 

Referências

ALMEIDA, Cristóvão Domingos; MENDES, Cleber Morelli. O desenvolvimento da economia criativa no Brasil: uma perspectiva através da indústria cinematográfica brasileira. Verso e Reverso: Unisinos.2016.

BELÉM, Fundação Municipal. http://fumbel.belem.pa.gov.br/festival-embalando-a-arte-na-rede/. Acessado em 9 de junho de 2020.

BELO HORIZONTE, Prefeitura Municipal. https://prefeitura.pbh.gov.br/. Acessado em 06 de junho de 2020.

BRASÍLIA, Distrito Federal. http://www.cultura.df.gov.br/conecta-cultura/. Acessado em 10 de junho de 2020.

CASCAES, Fundação Municipal de Cultura de Florianópolis Franklin. https://www.casadaculturaparaty.org/. Acessado em 9 de junho de 2020.

CURITIBA, Fundação Cultural. http://www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br. Acessado em 10 de junho de 2020.

FLORIANÓPOLIS, Prefeitura Municipal. https://cultura.sc/floripa/editais. Acessado em 9 de junho de 2020.

FLORIDA, R. Cities and the criative class. Nova York: Routledge. 2005.

FORTALEZA, Prefeitura Municipal. https://cultura.fortaleza.ce.gov.br/ Acessado em 10 de junho de 2020.

HOWKINS, J. 2001. The Creative Economy: How People Make Money from Ideas. New York, Penguin Global, 304 p.

JOÃO PESSOA. Prefeitura Municipal. http://www.joaopessoa.pb.gov.br. Acessado em 10 de junho de 2020.

LANDRY, C. The creative city - a tolkit for urban innovators. Londres: Comedia/Earthscan. 2000.

LANDRY, C.; BIANCHINI, Franco. The Criative City. Working paper 3: Indicators of a Creative City - a methodology for assesseing urban viability and vitality. London: Comedia, 1994.

PARATY, Prefeitura Municipal. http://paraty.rj.gov.br/informativo/noticias/a-cultura-agora-esta-na-sua-casa. Acessado em 8 de junho de 2020.

PARATY, Prefeitura Municipal. https://www.casadaculturaparaty.org/ Acessado em 8 de junho de 2020.

REIS, A.C.F. 2008. Transformando a criatividade brasileira em recurso econômico. In: A.C.F. REIS, Economia Criativa como Estratégia de Desenvolvimento. São Paulo, Itaú Cultural, 267 p.

REIS, Ana Carla Fonseca; KAGEYAMA, Peter (Orgs.). Cidades Criativas – Perspectivas. 1ª ed. São Paulo: Garimpo de Soluções & Creative Cities Productions. 2011.

REIS, A. C. Cidades Criativas: da teoria à prática. São Paulo: SESI-SP. 2012.

SALVADOR, Prefeitura Municipal. http://www.comunicacao.salvador.ba.gov.br Acessado em 07 de junho de 2020.

SALVADOR, Prefeitura Municipal. http://saltur.salvador.ba.gov.br/ Acessado em 07 de junho de 2020.

SALVADOR, Prefeitura Municipal. http://www.cultura.salvador.ba.gov.br/ Acessado em 07 de junho de 2020.

SALVADOR, Prefeitura Municipal. http://saltur.salvador.ba.gov.br/ Acessado em 07 de junho de 2020.

SALVADOR, Prefeitura Municipal. http://www.cultura.salvador.ba.gov.br/ Acessado em 07 de junho de 2020.

SANTOS, Prefeitura Municipal. https://www.santos.sp.gov.br Acessado em 9 de junho de 2020.

THROSBY, D. Economics and culture. Nova York, Cambridge University Press, 228 p. 2001.

UNESCO. Criative Cities Network. Disponível em: http://en.unesco.org/creative- cities/home acessado em: 10/03/2019.

ZUKIN, S. The Cultures of cities. Em S. Zukin, The Cultures of cities (p. 322). Malden: Blackwell. 1995.

Downloads

Publicado

2020-08-31