CARTOGRAFIAS CIBERCULTURAIS DA FORMAÇÃO DOCENTE: EXPERIMENTAÇÕES AUTORAIS NA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA

EXPERIMENTAÇÕES AUTORAIS NA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2020.v13.n1.a604

Palavras-chave:

Cartografias, Parrhesias, Interseccionalidade

Resumo

A cibercultura, caracterizada por processos de comunicação pós-massivos, promove novas formas de ser e de viver nos tempos contemporâneos. Nesse sentido, a cibercultura é formativa, produz e molda a subjetividade dos sujeitos, tema de pesquisa deste artigo. Esta pesquisa foi realizada no primeiro semestre de 2018 na disciplina “Educação Estética” do curso de Pedagogia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ / Brasil). Esta disciplina tem como objetivo discutir outras formas de pensar e praticar o ensino. Para atingir esse objetivo, propusemos que grupos de estudantes produzissem uma publicação on-line por meio do aplicativo de anotações do Facebook sobre problematizações ético-estético-políticas de si mesmos e em relação um ao outro. A partir dessa proposição, surgiram várias publicações sobre experiências de múltiplas intersecções (gênero, sexualidade, raça, classe), nas quais xs estudantes procuravam falar a verdade sobre si mesmos e sobre os demais, dentro de uma liberdade ética-estética-política em suas autorias, parrhasianas e interseccionais.

Biografia do Autor

Felipe da Silva Ponte de Carvalho, UERJ

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Atualmente é bolsista de Doutorado-Sanduíche Faperj na Universidad Complutense de Madrid. Membro do Grupo de Estudos em Gênero e Sexualidade e(m) Interseccionalidades (Geni).

 

Fernando Pocahy, UERJ

Professor Adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd). Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Coordenador do GENI - Grupo de Estudos em Gênero, Sexualidade e(m) Interseccionalidades na Educação e(m) Saúde. Jovem Cientista do Nosso Estado – JCNE-FAPERJ e Procientista UERJ, Professor Visitante na Universidad Complutense de Madrid.

Referências

ALVAREZ, Johnny; e PASSOS, Eduardo. Cartografar é habitar um território existencial. In.: PASSOS, Eduardo Passos; KASTRUP, Virgínia Kastrup e ESCÓSSIA, Liliana (orgs). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009, p.131-149.
BATISTA, Cristina Santos; BERNARDES, Jefferson; MENEGON, Vera Sônia. Conversas no cotidiano: um dedo de prosa na pesquisa. In: SPINK, Mary Jane Paris; BIRGAGÃO, Jacqueline Isaac Machado; NASCIMENTO, Vanda Lúcia Vitoriano; CORDEIRO, Mariana Prioli (Orgs.). A produção da informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2014. p. 97-122.
BUTLER, Judith. Corpos que pensam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 3. ed., 2016b, p. 151-172.
CARVALHO, Felipe da Silva Ponte de; ROSENO, Richard; POCAHY, Fernando Altair. Cartografias de rede de aquendação em grupos (homo)eróticos no Facebook: dissidências de gênero, sexualidade e envelhecimento. In: POCAHY, Fernando Altair; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte de ; COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro. (Org.). Gênero, sexualidade e geração: intersecções na educação e/m saúde. 1ed.Aracaju: EDUNIT, 2018, v. 1, p. 129-148.
DORLIN, Elsa. Sexo, género y sexualidades. Introducción a la teoria feminista. Buenos Aires: Nueva Visión, 2009. Seções sexo, raza e classe e género y poscolonialismo
FLAX, Jane. Pós-modernismo e as relações de gênero na teoria feminista. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque (org). Rio de Janeiro: Rocco, 1991, pp. 217-250.
FOUCAULT, Michael. 1ª Conferência: Parrhesia e a crise das instituições democráticas Revista PROMETEUS, Edição Especial: Seis conferências de Michel Foucault sobre a parrhesia ANO 6, VOLUME 6, NÚMERO 14, 2013a. ISSN: 2176-5960
FOUCAULT, Michael. 3ª Conferência: o significado da palavra parrhesia? Revista PROMETEUS, Edição Especial: Seis conferências de Michel Foucault sobre a parrhesia ANO 6, VOLUME 6, NÚMERO 14, 2013b. ISSN: 2176-5960
FOUCAULT, Michel. Ética do cuidado de si como prática de liberdade. In: Ditos e escritos V. Rio de Janeiro: Forense editora, 2006, p. 264-287.
LAPONTE, Luciana Grupelli. Docência artista: arte, gênero e ético-estética docente 28ª Reunião Anual da Anped, 2005
LIMA, Fátima. Raça, Interseccionalidade e Violência Corpos e processos de subjetivação em mulheres negras e lésbicas. Revista Cadernos de Gênero e Diversidade, Vol 04, N. 02 - Abr. - Jun., 2018 | https://portalseer.ufba.br/index.php/cadgendiv
POCAHY, Fernando Altair. Interseccionalidade e educação: cartografias de uma prática-conceito feminista. Textura Canoas n.23 p.18-30 jan./jun. 2011.
POCAHY, Fernando. GÊNERO, SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO: Miradas pós-críticas na educação e/m saúde. Revista Momento: diálogos em educação, v. 28, n. 3, set./dez p. 87-111, 2019.
ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: Transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2ª edição, 2016.
VIGOYA, Mara Viveros. La interseccionalidad: una aproximación situada a la dominación. 2016. Debate Feminista, n. 52, p. 1–17, 2016. Disponível em: < http://www.debatefeminista.cieg.unam.mx/wp-content/uploads/2016/12/articulos/052_01.pdf> Acessado em: 29/08/2018

Downloads

Publicado

2020-04-30