PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL NA PERSPECTIVA DE GÊNERO: mapas em aberto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2020.v13.n1.a571

Palavras-chave:

Gênero. Educação infantil. Práticas pedagógicas. Revisão bibliográfica sistemática.

Resumo

Este estudo é um recorte da cartografia de práticas pedagógicas em educação infantil sobre questões de gênero, em desenvolvimento em um curso de pós-graduação em educação numa universidade pública da Bahia. Caracteriza-se como uma pista para verificar como as práticas pedagógicas na educação infantil referente às questões de gênero estão sendo problematizadas em pesquisas de pós-graduação. O pr­­­­opósito é identificar os programas de pós-graduação, a localização geográfica dos mesmos, a frequência da produção por ano e descrever os achados das pesquisas que discutem a prática pedagógica referente às questões de gênero. Para tanto, foi realizado um levantamento de dissertações e teses no banco de dados do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia considerando os descritores gênero, educação infantil, prática pedagógica, com recorte temporal de 2008-2018. A partir dos critérios de inclusão e exclusão foram selecionadas 08 pesquisas para compor o corpus analisado. O resultado aponta que não houve variação considerável do quantitativo por ano das pesquisas localizadas. Porém, os trabalhos que discutem as práticas pedagógicas têm ganhado frequência desde 2014. A maioria dos estudos foi desenvolvida em instituições públicas e em programas de pós-graduação em Educação. 12% estão localizados nas regiões Centro-Oeste e Nordeste; e 75% no Sudeste. Foi verificado que as professoras/es sentem dificuldade em manejar situações mais explícitas sobre as relações sociais de gênero entre as crianças, e que as concepções sobre a temática e as práticas pedagógicas perpassam uma visão binária, essencialista e heteronormativa sobre as identidades sexuais e de gênero.

Biografia do Autor

Graciele Mendes de Carvalho, Universidade Estadual da Bahia

Psicóloga (UNIT); Mestranda no programa de pós-graduação em Educação e Diversidade (UNEB). É especialista em Psicologia Educacional (UNIASSELVI) e em Educação e Direitos Humanos (UFBA); É pesquisadora do grupo de pesquisa FEL - Formação, Experiência e Linguagem (UNEB). Exerce atividades profissionais na área de Psicologia Escolar.

Zuleide Paiva da Silva, Universidade Estadual da Bahia

Professora assistente da Universidade do Estado da Bahia- Departamento de Educação - Campus XIX, e professora titular do MPED- Mestrado Profissional em Educação e Diversidade. Formação interdisciplinar, com doutorado Multi- Institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento (UFBA, IFBA,UNEB, UEFS, SENAI-CIMATEC, LNCC), mestrado em Estudos Interdisciplinares Sobre Mulheres, Gênero e Feminismo (UFBA), especialização em Arquivologia e Novas Tecnologias documentais (UNEB), graduação em Biblioteconomia e Documentação (UFBA) e em Licenciatura  em Letras (UNEB). É pesquisadora do grupo de pesquisa FEL - Formação, Experiência e Linguagem. Atualmente coordena  o DIADORIM - Centro de Estudos em Gênero, Raça/Etnia e Sexualidade. Desenvolve pesquisa e extensão no campo dos estudos feministas interseccionais com foco na formação docente e processos de produção e difusão do conhecimento. Desde 2010 atua na Liga Brasileira de Lésbicas estabelecendo pontes entre a academia e os movimentos sociais. 

Referências

BATISTA, R. A. Fotonarrativas de práticas pedagógicas na Educação Infantil: uma análise sobre as percepções das professoras. Dissertação (Programa de Mestrado em Educação). Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2018.

BORGES, R. de C. V. Educação em sexualidade, sexualidade e gênero: desafios para professoras (es) do Ensino Infantil. 188f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação sexual) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, São Paulo, 2016.

BOTELHO, L. L. R; CUNHA, C. C. de A; MACEDO, M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Belo Horizonte: Rev. Gestão e Sociedade, v. 5, n. 11, p. 121-136, 2011. Disponível em: https://www.gestaoesociedade.org/gestaoesociedade/article/view/1220. Acesso em: junho de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil /Secretaria de Educação Básica. – Brasília : MEC, SEB, 2010.

FRANCO, M. A. do R. S. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Rev. Bras. Estud. Pedagog. vol.97 no. 247 Brasília Sept./Dec. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2176- 66812016000300534&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: Dezembro de 2018.

GIMENO SACRISTÁN, J. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: ARTMED Sul, 1999.

LUCIFORA, C. de A. A reprodução das desigualdades de gênero nos contos de fadas/maravilhosos como marcas circunscritas na educação infantil. 172 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Sexual) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras. São Paulo, 2017.

LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2017. 58 p. Conteúdo: Leis de diretrizes e bases da educação nacional – Lei no 9.394/1996 – Lei no 4.024/1961.

MIRANDA, A. C. de S. Gênero/Sexo/Sexualidade: representações e práticas elaboradas por professoras/es da educação infantil na rede municipal de ensino em Salvador. 166f. Dissertação (mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia UFBA. Salvador, 2014.

ORIANI, V. P. Direitos humanos e gênero na Educação Infantil: concepções e práticas pedagógicas. 2010, 157f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista UNESP, Marília, 2010.

ORIANI, V. Pa. Relações de gênero e sexualidade na educação infantil: interfaces que envolvem as práticas pedagógicas. 101f. Tese. (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2015.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA Liliana da. Introdução. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade / orgs. Eduardo Passos, Virgínia Kastrup e Liliana da Escóssia. – Porto Alegre: Sulina, 2015.

PAZ, C, D. A. da. Gênero no trabalho pedagógico na educação infantil. 149fDissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação/Universidade de Brasília UnB. Brasília Distrito Federal, 2008.

PERISSÉ A.R.S; GOMES, M.M, NOGUEIRA, A. S. Revisões sistemáticas (inclusive metanálises) e diretrizes clínicas. In: Gomes M.M, editor. Medicina baseada em evidências: princípios e práticas. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso; 2001. p.131-48.

SAFFIOTI, H. I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Labrys Estudos Feministas, n. 1-2, jul./dez., 2002.

SAMPAIO R. F; MANCINI M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioter., São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, jan./fev. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-35552007000100013. Acesso em: junho de 2019.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995, pp. 71-99 Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721. Acesso em: junho de 2019.

SILVA, Zuleide Paiva. Conceição do Coité “ao quadrado”: retrato da violência da contra as mulheres (1980-1999). Dissertação (Mestrado em Estudos Interdisciplinares Sobre a Mulher). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010. 195f.

VIANNA, C; FINCO, D. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos pagu (33), julho-dezembro de 2009:265-283. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 83332009000200010. Acesso em: Março de 2019.

ZAGO, J. A. Gênero e educação infantil: análise do trabalho pedagógico em uma pré-escola municipal do Oeste Paulista. 194f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Oeste Paulista – UNOESTE. São Paulo, 2016.

Downloads

Publicado

2020-04-30