ESCOLA, VIOLÊNCIA E MEDIAÇÃO: elementos para a constituição de processos de resolução de conflitos?

Palavras-chave: Mediação, Resolução de conflitos, Educação, Violência na escola

Resumo

Este artigo tem o objetivo de apreender os elementos prescritos no Projeto Político Pedagógico escolar e, a partir das relações promovidas entre escola-professor-aluno, estabelecer as condições efetivas para a existência de práticas de mediação de conflitos. A metodologia resulta de pesquisa de campo em uma escola pública do município de Poços de Caldas, Estado de Minas Gerais, por meio do uso de técnicas de observações, entrevistas dialogais, participações de aula e reuniões pedagógicas, conversas formais e informais com professores, alunos, supervisores, diretores e pais de alunos. O período da pesquisa foi de fevereiro de 2014 a novembro de 2016. A mediação é uma técnica que pode superar as dimensões funcional, dogmática e normativa do direito e na educação pode ser traduzida em instrumento de revisão do papel formador da escola, em que traz práticas de conciliação às manifestações e às expressões de violência. A unidade escolar pode ter a oportunidade constituir espaços de aprendizagem que demarquem a solidariedade, o convívio coletivo e comunitário, a participação, o protagonismo e, acima de tudo, a valorização e o respeito às pessoas, princípios que compõe os processos de mediação.

Biografia do Autor

Carlos Alberto Pimenta, UNIFEI
Professor adjunto da Universidade Federal de Itajubá

Referências

ABRAMOVAY, M. (Org.). Escola e violência. Brasília: UNESCO, 2002.

ABRAMOVAY, M. (Coord.). Escolas inovadoras: experiências bem-sucedidas em escolas públicas. Brasília: UNESCO, Ministério da Educação, 2004.

ABRAMOVAY, M. (Coord.). Cotidiano das escolas: entre violências. Brasília: UNESCO, Observatório de Violência, Ministério da Educação, 2005.

ABRAMOVAY, M.; GRAÇAS, M. (orgs). Violências nas escolas. Brasília: UNESCO, Instituto Ayrton Senna, UNAIDAS, Banco Mundial, USAID, Fundação Ford, CONSED, UNDIME, 2002.

ALVES, C. P.; PIMENTA, C. A. M.; SOUZA, R. T.; SILVA, A. L. Educação e mediação: apontamentos teóricos para o debate sobre políticas públicas. In: PIMENTA; ALVES (Orgs.). Políticas Públicas e Desenvolvimento Regional. Campina Grande: PB: EDUEPB, 2010, p. 137-158.

AQUINO, J. G. (Org.). Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. 8ª ed. São Paulo: Summus, 1996.

BATISTA, L. F. Análise sobre a Implantação do Núcleo de Mediação de Conflitos na cidade de Poços de Caldas, no ano de 2012: como da violência e das ações delituosas entre os conflitantes. 2013. 82 f. Monografia. (Especialização em Segurança Pública) Academio de Polícia Militar do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.-C. A Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

CHARLOT, B. A Violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. In: Sociologias, Porto Alegre, vol. 4, nº 8, p. 432-443, julho/dezembro de 2002.

COSTA, M. I. Medidas extrajudiciais para resolução dos conflitos entre os índios potiguara e as usinas de cana açúcar: mediação, conciliação e arbitragem. In: Revista Ensino Interdisciplinar, Vol. 3, nº 8, p. 237-253, maio 2017. Disponível em http://periodicos.uern.br/index.php/RECEI/article/viewFile/2306/1232. Acesso em 10 de julho de 2017.

COSTA, M. R.; PIMENTA, C. A. M. Violência: natural ou sociocultural? São Paulo: Paulus, 2006.

FANTE, C. Fenômeno bullying. Programa educar para a paz. Campinas, SP: Versus Editora, 2005.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. 42. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

GUIMARÃES, Á.M. Indisciplina e violência: a ambiguidade dos conflitos. In. AQUINO, J. G. (Org.) Indisciplina na Escola: alternativas teóricas e práticas. 8ª ed. São Paulo: Summus, 1996. p. 73-82.

HALL, S. Identidades culturais na pós–modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 1997.

LASCOUX, J.-L. O que é a mediação? 2006. Disponível em: http://www.forum-mediacao.net/module2display.asp?id=39&page=2. Acesso em: 18 de outubro de 2015.

MADEIRA, F. R. Violência nas escolas: quando a vítima é o processo pedagógico. In: São Paulo em Perspectiva, São Paulo vol. 13, nº 4, p. 49-61, Outubro/Dezembro de 1999.

MAFFESOLI, M. A Transfiguração do político: a tribalização do mundo. Jaguaré do Sul, SC: Salinas, 2005

MICHAUD, Y. A Violência. São Paulo: Ática, 1989.

MOORE, C. W. O Processo de mediação: estratégias práticas para a resolução de conflitos. Porto Alegre: Arted, 1998.

NUNES, A. C. O. Como restaurar a paz nas escolas, um Guia para Educadores. São Paulo: Editora Contexto, 2011.

PIMENTA, C. A. M. Juventude, violência e políticas públicas. In: Revista Espaço Acadêmico. Ano VII, nº 75, Agosto de 2007. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/ 075/75pimenta.htm. Acesso em 09 de janeiro de 2017.

PIMENTA, C. A. M. Dimensões Socioculturais da Violência: contemporaneidade e relações sociais. In: Sociedade em Debate. Pelotas, RS, vol. 1, p. 7-24, janeiro/junho de 2008.

RICOEUR, P. Percurso do reconhecimento. São Paulo: Loyola, 2006.

TOURAINE, A. Igualdade e diversidade: o sujeito democrático. São Paulo: EDUSC, 1998.

Publicado
2017-10-24