THE WALKING DEAD E OS ZUMBIS CONTEMPORÂNEOS

  • Camila Nogueira Universidade de Taubaté- Unitau
  • André Luis Silva Universidade de Taubaté- UNITAU
Palavras-chave: The Walking Dead. Simbologia. Sociedade contemporânea.

Resumo

O presente artigo resulta de um estudo sobre a série The Walking Dead, seu significado simbólico e a relação deste significado com a sociedade ocidental contemporânea. O problema proposto foi o de saber se haveria neste conteúdo simbolizado e apresentado pela série uma inter-relação com aspectos do indivíduo pós-moderno. A metodologia adotada foi a da pesquisa de procedimento básico, com objetivos exploratórios e qualitativa quanto à forma de abordagem do problema. A coleta de dados foi feita através de pesquisa bibliográfica narrativa realizada em obras literárias sobre os assuntos abordados, banco de dados das Plataformas Scielo, Capes e Google acadêmico, bem como em outras fontes virtuais que comportassem informações sobre os descritores. As abordagens teóricas adotadas foram as contribuições da Teoria Cultural e da Psicanálise. Através da coleta foi possível perceber indícios de relações entre o cenário contemporâneo e a simbologia zumbi presentes no seriado. Utilizado como metáfora de questões sociais desde 1968  pelo diretor George Romero no filme Madrugada dos Mortos- Vivos, a figura do zumbi assume papel híbrido e dentre suas inúmeras possibilidades simbólicas atualmente de forma mais acentuada que outrora tipifica aspectos de massificação, consumismo e relações de dominação no cenário do ocidente contemporâneo.

Biografia do Autor

Camila Nogueira, Universidade de Taubaté- Unitau
Possui graduação em Psicologia pelo Centro Universitário Salesiano São Paulo (2004). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicanálise. Especialização na área Clínica em Psicossomática Psicanalítica e Formação em Psicanálise pelo GTEP do Instituto Sedes Sapientiae- SP. Mestranda na área de Desenvolvimento Humano. Experiência Profissional em Saúde Mental- CAPS, mediante aprovação em concurso público. Atualmente é docente no Curso de Psicologia do Centro Universitário de Itajubá- Fepi, nas disciplinas de Teorias da Personalidade I, Teorias e Técnicas Psicoterápicas Psicanalíticas, Psicopatologia Infanto Juvenil e supervisora do estágio de Psicoterapia Individual Adulto na Abordagem Psicanalítica. Também docente no Centro Universitário Salesiano São Paulo U. E. Lorena nas disciplinas de Psicopatologia I e II, Psicologia Hospitalar e supervisora em Psicodiagnóstico. Atua em consultório particular.
André Luis Silva, Universidade de Taubaté- UNITAU
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1996), mestrado em Ciências da Religião (2003) e doutorado em Ciências Sociais (2011) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É docente efetivo de sociologia, pesquisador do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas de Práxis Contemporâneas e docente do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Humano: Formação, Políticas e Práticas Sociais da Universidade de Taubaté. É pesquisador colaborador do Grupo de Estudos de Práticas Culturais Contemporâneas da PUC-SP. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Urbana, e na área de Sociologia da Cultura. Pesquisa os seguintes temas: conflito simbólico, religiosidade, identidade, diversidade cultural, cultura popular, mediação cultural e políticas culturais .

Referências

BIRMAN, J. Estilo e modernidade em psicanálise. São Paulo: Editora 34, 1997.

BRASILEIRO, B. The Walking Dead chegou a 28 milhões de telespectadores em soma de plataformas. Minha série, 05 Jun. 2014. Disponível em: <http://www.minhaserie.com.br/novidades/17287-the-walking-dead-chegou-a-28-milhoes-de-telespectadores-em-soma-de-plataforma>. Acesso em 03 Jul. 2014.

CHARLES, S. O individualismo paradoxal: Introdução ao pensamento de Gilles Lipovetsky. In: LIPOVETSKY, G. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

CORSO, M. A invasão zumbi: Zumbi, você ainda vai ser um... na melhor das hipóteses. Psicanálise na vida cotidiana. 29 Jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 04 Jul. 2014.

DANA, L. Veja 12 curiosidades sobre a saga The Walking Dead. Super Interessante. s/d. Disponível em: <http://super.abril.com.br/galerias-fotos/veja-12-curiosidades-saga-the-walking-dead-701432.shtml#0>. Acesso em 24 Jun. 2014.

FELIPE, F. C. Um estudo sobre a poética e a convergência de mídias na série The Walking Dead: análise a partir dos estudos culturais de identidade, mídia e representação do “outro” no mundo globalizado. Revista Eletrônica de Educação da Faculdade Araguaia, v.5, 96-103, 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 Jul. 2014.

FREUD, S. O mal estar na civilização. [1930] In: ________. Obras completas de Sigmund Freud. Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FONSECA, J. M. O vodu no bicentenário da independência haitiana. Revista Ameríndia, v. 10, p. 55 -60, Nov. 2011.

FORTES, I. A psicanálise face ao hedonismo contemporâneo. Revista mal-estar e subjetividade, v. 9, n.4, Fortaleza, CE, dez 2009. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1518-61482009000400004&script=sci_arttext>. Acesso em: 13 jul. 2015.

GIDDENS, A. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

________. A vida em uma sociedade pós- tradicional. In: LASH, S.; GIDDENS, A.; BECK, U. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1997, p.73- 131.

________. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

LAPLANTINE, F. Aprender Etnopsiquiatria. São Paulo: Brasiliense, 1998.

LIMA, A. A. S. A produção paradoxal do nosso tempo: intensidade e ética. In: FUKS, L. B.; FERRAZ, F. C. (Orgs.). A Clínica Conta Histórias. São Paulo: Escuta, 2000.

LIPOVETSKY, G. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

MAGALHÃES, A. S.; HENRIQUES, C. R.; FERES-CARNEIRO, T. Trabalho e família: o prolongamento da convivência familiar em questão. Paidéia, ano 16, n. 35, p. 327- 336.

MASSAROLO, J. C.; GOMES, P. Um estudo sobre a construção de mundos no cinema de terror: representação das multidões nos filmes de zumbi. Eco Pós: revista do programa de pós-gradução da escola de comunicação da UFRJ, dossiê: imaginando o real: novos realismos, v. 15, n. 03, p. 196- 216.

NOBRE, C.; INOCENCIO, L. Estratégias criativas do campo de batalha para o cotidiano: o marketing de guerrilha e o case The Walking Dead. In: Intercom: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação- XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Fortaleza, CE. 3 a 7 set. 2012, p. 1 a 15. Disponível em: < http://www.intercom.org.br/sis/2012/resumos/R7-2432-1.pdf>. Acesso em: 14 ago. 2014.

OLIVEIRA, D. E as tintas criaram vida... aspectos da transposição dos quadrinhos The Walking Dead para a série de TV. Revista Translatio, n.6, 2013.

ORTIZ, V. F.Capitalismo Zombi. Estudios Culturales. Facultad de Filosofia y Letras, UNAN, 29 abr. 2013. Disponível em: <https://estudioscultura.wordpress.com/2013/04/29/capitalismo-zombi/>. Acesso em: 02 nov. 2015.

PROSPERI, R.; GENTINI, A.M. O Vodu no universo simbólico haitiano. Universitas Relações Internacionais. Brasília, v.11, n. 1, p. 73- 81, Jan. a Jun. 2013.

REIS-FILHO, L.; SUPPIA, A. Dos cânones sagrados às alegorias profanas: a laicização do zumbi no cinema. MNEME: revista de humanidades, Rio Grande do Norte, v. 11, n. 29, p. 272-285, Jan.- Jul., 2011.

ROUDINESCO, E. Por que a psicanálise? Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

SÁ. D. S. Memento mori: o zumbi no gótico americano. Soletras revista: Santa Catarina, n. 27, p. 207- 219, Jan. 2014.

SANTAELLA, L. O corpo como sintoma da cultura. Comunicação, mídia e consumo: Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, v. 1, n. 2, p.139 - 157, nov. 2004.

SENNET, R. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 5 ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SOARES, D. H. P.; KRAWULSKI, E.; COUTINHO, M. C. Identidade e trabalho na contemporaneidade: repensando articulações possíveis. Psicologia e Sociedade: Edição Especial 1, v. 19, 29-37, 2007.

STANCK, R. A construção do zumbi moderno em “A noite dos mortos -vivos”. A escotilha. 25 mar. 2015. Disponível em: < http://www.aescotilha.com.br/cinema-tv/espanto/a-construcao-do-zumbi-moderno-em-a-noite-dos-mortos-vivos/>. Acesso em: 12 set. 2015.

TEIXEIRA, M. R. Porque será que gostamos tanto dos filmes de zumbis? Cógito, Salvador, v. 14, p. 12-15, Nov.2013.

VIANNA, M. C. Se não sei cair, como aprendo a levantar? Textura: revista de psicanálise, ano 11, n. 09, p. 35-40, 2012.

WEBB, J,; BYRNAND, S. Some kind of virus: the zombie as body and as trope. Body and Society, Los Angeles, London, New Delhi and Singapore: SAGE Publications, v. 14, n. 2, p. 83 – 98, 2008.

WILLIAMS , R. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

Publicado
2016-07-01