POLÍTICA ECONÔMICA AMBIENTALMENTE SUSTENTÁVEL: por uma adaptação de fundamentos macroeconômicos à sustentabilidade ambiental

  • Alessandro Ferreira Alves Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG.
  • Pedro dos Santos Portugal Júnior Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG
  • Bastiaan Philip Reydon Instituto de Economia da Unicamp.
Palavras-chave: Políticas Econômicas. Capacidade Ambiental. Sustentabilidade Ambiental.

Resumo

O artigo apresenta uma proposta de inclusão das questões ambientais nas decisões de políticas econômicas dos países. O fundamento para a realização de um estudo como esse se encontra no fato de que as decisões de políticas ambiental e econômica são tomadas de maneira desarticulada, não contribuindo para o desenvolvimento sustentável da sociedade. Dessa forma, enquanto a política ambiental busca a sustentabilidade, as políticas econômicas contribuem para o aumento da degradação ambiental. A fim de romper com tal problemática, é apresentada uma série de propostas envolvendo as políticas fiscal, monetária e cambial que contemplem os limites impostos pelo meio ambiente à expansão da produção e da renda. O estudo apresenta inicialmente uma breve abordagem sobre as políticas econômicas, seus tipos e principais instrumentos. Em seguida, analisa-se a aplicação de instrumentos econômicos na questão ambiental a fim de demonstrar formas de internalização dos custos ambientais no âmbito das decisões produtivas e econômicas. Por fim, apresentam-se as propostas de inserção dos limites ambientais para cada uma das políticas econômicas, enfatizando as políticas fiscal, monetária e cambial.

Biografia do Autor

Alessandro Ferreira Alves, Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG.

Matemático, mestre em Matemática Pura e doutor em Matemática Aplicada pela Unicamp. Professor do UNIS-MG.

Pedro dos Santos Portugal Júnior, Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG
Economista, especialista em Gestão de Negócios pela FACECA Varginha - MG. Mestre e doutor em Desenvolvimento Econômico pelo IE Unicamp. Professor do Centro Universitário do Sul de Minas e pesquisador do Cenrto de Empreendedorismo, Pesquisa e Inovação.
Bastiaan Philip Reydon, Instituto de Economia da Unicamp.
Economista, mestre e doutor em Economia. Professor Livre-Docente do IE Unicamp. Pesquisador do NEA-IE-Unicamp.

Referências

ABEL, A.B.; BERNANKE, B.S., CROUSHORE, D. Macroeconomia. 6 ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2008.

ALIER, J.M. (1994). De la economía ecológica al ecologismo popular. 2 ed. Barcelona: Icaria Editorial, 1994.

CASTRO, J.A. The internalization of external environmental costs and sustainable development. In: UNCTAD. Discussion papers, Switzerland, 81, 1994.

CAVALCANTI, R.N. Política ambiental. In CAVALCANTI, R.N. et. al. (org.), Administração ambiental (pp. 50 – 72). Campinas: Unicamp, 2000.

CEPAL. Informe del seminário regional sobre instrumentos econômicos para la gestion ambiental en America Latina y el Caribe. Oaxtepec México: Naciones Unidas, 1995.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE DA AMÉRICA LATINA E DO CARIBE. Nossa própria agenda. s.l.: Banco Interamericano de Desenvolvimento e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 1990.

COUTINHO, L.; BELLUZZO, L.G. “Financeirização” da riqueza, inflação de ativos e decisões de gasto em economias abertas. Economia e Sociedade, 11, 137-150, 1998.

Daly, H.E.; Farley, J. Ecological Economics: principles and applications. Washington DC: Island Press, 2004.

FONSECA, E.G. Meio ambiente e contas nacionais: a experiência internacional. In NOZOE, N. (coord.), Contabilização econômica do meio ambiente: elementos metodológicos e ensaios de aplicação no estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria de Meio Ambiente, 1992.

Gil, A.C. Técnicas de pesquisa em economia. (2 ed.). São Paulo: Atlas, 1991.

GREMAUD, A.P.; VASCONCELLOS, M.A.S.; TONETO JR, R. Economia brasileira contemporânea. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HARRIS, J.M.; GOODWIN, N.R. Reconciling growth and the environment. In Global Development and Environment Institute. Working paper, n. 03/03, 2003.

HICKS, J.R. IS – LM: uma explicação. In CARNEIRO, R. (org.). Os clássicos da economia. Vol. 2. São Paulo: Ática, 2003.

HUSSEN, A. Principles of Environmental Economics. 2 ed. London: Routledge, 2004.

JACOBS, M. The green economy: environment, sustainable, development and the politics of the future. London: Pluto Press, 1991.

KEYNES, J.M. A teoria geral do emprego, do juro e da moeda. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MANKIW, N.G. Macroeconomia. 3 ed. São Paulo: LTC, 1998.

MENDES, J.T.G. Economia: fundamentos e aplicações. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

MOTTA, R.S. Economia ambiental. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

MUNHOZ, D.G. Economia aplicada: técnicas de pesquisa e análise econômica. Brasília: UnB, 1989.

PARKIN, M. Macroeconomia. (5 ed.). São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2003.

PEARCE, D.; MARKANDYA, A.; BARBIER, E.B. Blueprint for a green economy. London: Earthscan Publications Ltd, 1989.

ROMER, D. Keynesian macroeconomics without the LM curve. NBER Working Paper 7461, 2000.

SACHS, I. Qual o desenvolvimento para o século XXI? In BARRÈRE, M (org.), Terra patrimônio comum: a ciência a serviço do meio ambiente e do desenvolvimento. São Paulo: Nobel, 1992.

TACHIZAWA, T. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2005.

TAVARES, M.C.; BELLUZZO, L.G.M. Uma reflexão sobre a natureza da inflação contemporânea. Texto para discussão IE UFRJ, 65, 1984.

UNCTAD. Sustainable development: the effect of the internalization of external costs on sustainable development. Report by the UNCTAD secretariat. Geneva, 1994.

VASCONCELLOS, M.A.S.; GARCIA, M.E. Fundamentos de Economia. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

Publicado
2017-10-24