FORMAÇÃO DOCENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS: UMA VISÃO HISTÓRICA

Palavras-chave: políticas públicas de educação, formação inicial, formação continuada.

Resumo

 

O propósito deste trabalho é apresentar uma visão histórica sobre a formação docente e as políticas públicas de formação. A discussão proposta é parte de uma pesquisa de mestrado intitulada As concepções de linguagem: um olhar sobre materiais do programa Bolsa Alfabetização. Os estudos documentais aqui desenvolvidos procuraram delinear, numa perspectiva histórica a formação inicial e continuada de professores dentro das políticas públicas de educação. Apresentamos os conceitos de alguns autores que defendem a articulação dos saberes teóricos aos saberes docentes advindos da prática, bem como a troca e o diálogo. O estudo apontou a possibilidade de compreender que o conceito de formação é suscetível de múltiplas perspectivas e, tem sido recorrente associar o conceito ao desenvolvimento pessoal e profissional, aos saberes adquiridos nos mais variados momentos da vida pessoal ou profissional. São saberes que brotam da experiência e são por ela validados. 


Biografia do Autor

Claudiane de Cassia Costa, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Mestranda em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação
Maria de Fátima Ramos de Andrade, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Possui graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Mestrado em Educação pela Universidade de São Paulo, Doutorado em Comunicação Semiótica pela PUC/SP e pós-doutorado em Políticas e Práticas da Educação Básica e Formação de Professores pela Fundação Carlos Chagas. Atuou no Ensino Fundamental em escolas públicas e privadas e, atualmente, em cursos de graduação e pós-graduação em Educação, nas áreas de Fundamentos da Didática, Alfabetização e Educação a Distância. Desenvolve pesquisas sobre os seguintes temas: Alfabetização, Multiletramentos, Desenvolvimento profissional da docência e Investigação Didática. 

Referências

ANDRADE, Maria de Fátima Ramos. A experiência do programa Bolsa Alfabetização do governo do Estado de São Paulo: a ressignificação dos estágios no curso de Pedagogia. (Relatório de pesquisa pós doutoral). São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2012.

ANDRÉ, Marli. Políticas e programas de apoio aos professores iniciantes no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v.42, n. 145, p.112-129, janeiro/abril 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cp/v42n145/08.pdf>. Acesso em: 11/07/2015.

ANDRÉ, Marli. Formação de professores: a constituição de um campo de estudos. Revista Educação, Porto Alegre, v.33, n.3, p. 174-181, setembro/dezembro 2010. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8075>. Acesso em: 11/07/2015.

BROTO, Carlota. Na Revolução Francesa, os princípios democráticos da escola pública, laica e gratuita: o relatório de Condorcet. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 24, n. 84, p. 735-762, setembro/2003. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/es/v24n84/a02v2484.pdf>. Acesso em: 20/03/2016.

CONTRERAS, José. A autonomia dos professores. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

GATTI, B. A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, RJ: ANPEd, v. 13 n. 37 jan/abr. 2008, p. 57-186. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n37/06.pdf>. Acesso em 10/07/2015.

GATTI, B. A. Políticas e práticas de formação de professores: Perspectivas no Brasil. Junqueira & Marin Editores. Campinas, SP, XVI ENDIPE: UNICAMP, 2012. Disponível em: <http://www.infoteca.inf.br/endipe/smarty/templates/arquivos_template/upload_arquivos/acervo/docs/0040m.pdf>. Acesso em 10/07/2015.

GATTI, B. A.; BARRETO E. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Relatório de Pesquisa. Brasília: UNESCO, 2009. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001846/184682POR.pdf>. Acesso em 10/07/2015.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. de S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002121/212183por.pdf>. Acesso em 10/07/2015.

MARCELO GARCIA, Carlos. Formação de professores. Para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

MARCELO GARCÍA, Carlos. Políticas de inserción en la docencia: de eslabón perdido a puente para el desarollo profesional docente. Santiago: Preal, 2011. (Documento do Preal, n. 52). Disponível em <http://www.empresariosporlaeducacion.org/sites/default/files/4_doc52_inserciondocencia_2011.pdf>. Acesso em 22/07/2015.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Aprendizagem da docência: professores formadores. Revista E-Curriculum, São Paulo, v. 1, n. 1, dez. - jul. 2005-2006. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/viewFile/3106/2046>. Acesso em: 10/07/2015.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. et al. Formação de professores, práticas pedagógicas e escola. São Carlos, SP: EdUFSCar, 2002.

PIMENTA, Selma G.; GHEDIN, Evandro (orgs). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, Selma G. (orgs). Saberes pedagógicos e atividades docente. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2012.

REIS FILHO, Casemiro. A educação e a ilusão liberal. São Paulo, Campinas, 1995.

RUSSO, Miguel; CARVALHO, Celso. Reforma e políticas de educação do governo do estado de São Paulo (2007-2011). Revista Série-Estudos, Campo Grande, MS, n. 34, p. 275-289, jul./dez. 2012.

SÃO PAULO. Secretaria da Educação do Estado de. A política educacional da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. 2002. Disponível em: <http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ors/PoliticaSEE.pdf>. Acesso em: 10/07/2015.

SÃO PAULO. Secretaria da Educação do Estado de. Constituição (1967). Constituição do Estado de São Paulo. Diário Oficial do estado de São Paulo, São Paulo, 6 out. 1989. Disponível em: <http://www.al.sp.gov.br/leis/constituicoes/constituicoes-anteriores/constituicao-estadual-1967/>. Acesso em: 10/07/2015.

SAVIANI, Demerval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14 n. 40 jan/abr. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a12.pdf>. Acesso em: 20/03/2016.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre, Artmed, 2000.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

SHULMAN, L. S. Knowledge and Teaching Foundations of the New Reform. Harvard Educational Review, v.57, n.1, 1987. p. 1-22. Disponível em: <http://cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/article/view/293/297>. Acesso em 10/07/2015.

SILVA, Jr., J. dos R. Reformas do Estado e da educação e as políticas públicas para a formação de professores a distância: implicações políticas e teóricas. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, RJ: ANPEd, n. 24, set/out/nov/dez, 2003, p. 78-94. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a07>. Acesso em 10/07/2015.

TANCREDI, R. M. S. P. Políticas públicas de formação de professores: o PIBID em foco. Revista Exitus, v. 3, p. 1-21, 2013.

TANCREDI, R. M. S. P. Aprendizagem da docência e profissionalização: elementos de uma discussão. 1. ed. São Carlos: EDUFSCar, 2009. v. 1.

TANURI, Leonor Maria. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 61-88, maio/ago. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a05>. Acesso em: 20/03/2016.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 17 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Publicado
2016-07-01