OS PLANOS GENÉTICOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO: A CONTRIBUIÇÃO DE VIGOTSKI

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2016.v9.n1.a298

Palavras-chave:

Desenvolvimento humano, Filogênese, Ontogênese, Sociogênese, Microgênese.

Resumo

A noção de desenvolvimento está atrelada a um contínuo de evolução ao longo de todo o ciclo vital que, segundo a proposição de Vigotski, grande estudioso do tema, o desenvolvimento e a transformação dos indivíduos acontecem a partir dos planos genéticos do desenvolvimento humano (filogênese, ontogênese, sociogênese e microgênese). Com isso, o objetivo deste estudo foi abordar os planos genéticos como uma matriz de entendimento dos fenômenos que compõem as etapas da evolução humana. A filogênese estuda a evolução das espécies, por meio da adaptação progressiva desde os seus primórdios, abordando tanto as predisposições biológicas quanto as características gerais do comportamento humano. A ontogênese refere-se à evolução humana, iniciada na concepção, seguida de transformações sequenciadas até a morte, de tal forma que cada estágio apresenta um determinado nível de maturidade. A sociogênese estuda as interações sociais como sendo as raízes das funções mentais superiores, que só passam a existir no indivíduo na relação mediada com o mundo externo. A microgênese é caracterizada pela emergência do psiquismo individual no cruzamento dos fatores biológico, histórico e cultural, sendo crucial na questão da afetividade e no conceito de personalidade. Portanto, é de suma importância adensar estudos acerca de conhecimentos sobre esta perspectiva do desenvolvimento, os planos genéticos, que, uma vez juntos, vão caracterizar a gênese dos processos psicológicos no ser humano.

Referências

ALVES, J. M. As formulações de Vygotsky sobre a Zona de Desenvolvimento Proximal. Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 1, n. 2, p. 11-16, 2005.

ANDRADE, J. J.; SMOLKA, A. L. B. Reflexões sobre desenvolvimento humano e neuropsicologia na obra de Vigotski. Psicologia em Estudo (Impresso), v. 17, p. 699-709, 2012.

AQUINO, J. G. Erro e fracasso na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus editorial, 1997.

ARANTES, V. A. Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus editorial, 2003.

BALDWIN, J. Though and Things: A Study of the Development and Meaning of Thought. London: Swan Sonnenschein & Co, 1906.

BEDIM, A.; OLIVEIRA, L. O jornal impresso e a questão ambiental: uma perspectiva baseada da teoria de Vygotsky. Ensino, Saúde e Ambiente, v. 5, n. 2, p. 25-32, 2012.

BLACK, J. E. How a child builds its brain: some lessons from animal studies of neural plasticity. Preventive Medicine, v. 27, p. 168-171, 1998.

BLANK, G. Para ler a psicologia pedagógica de Vygotsky. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BODROVA, E.; LEONG, D. J.; AKHUTINA, T. V. When everything new is well-forgotten old: Vygotsky/Luria insights in the development of executive functions. New Dir Child Adolesc Dev, v. 133(Fall), p. 11-28, 2011.

BRANCO, A.U. Sociogênese e canalização cultural: contribuições à análise do contexto das salas de aula. Temas em Psicologia, v. 1, n. 3, p. 9-17, 1993.

CASTRO, F. S. Letramento e alfabetização: sociogênese e/ou psicogênese, quais os caminhos da apropriação da escrita. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

CHUGANI, H. T. A critical period of brain development: Studies of cerebral glucose utilization with fiser. Preventive Medicine, n. 27, p. 184-187, 1998.

DE LA TAILLE, Y.; OLIVEIRA, M. K.; DANTAS, H. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. 8. ed. São Paulo: Summus, 1992

FEATHERMAN, D. L.; LERNER, R. M. Ontogenesis and Sociogenesis: problematics for theoty and research about development and socialization across the lifespan. American Sociological Review, v. 50, p. 659-676, 1985.

FONSECA, V. Gerontopsicomotricidade: uma abordagem ao conceito da retrogênese psicomotora. In: Fonseca V. Psicomotricidade: filogênese, ontogênese e retrogênese. (pp. 343-381). Porto Alegre: Artes Médicas, 2009.

FREITAS, N. K. Desenvolvimento humano, organização funcional do cérebro e aprendizagem no pensamento de Luria e de Vygotsky. Ciência e Cognição, v. 3, n. 9, p. 91-96, 2006.

GÓES, M. C. R. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos Cedes, v. 20, n. 50, p. 9-25, 2000.

GUTIÉRREZ, A. G. Microgenesis, Method and Object: A Study of Collaborative Activity in a Spanish as a Foreign Language Classroom. Applied Linguistics, v. 29, n. 1, p. 120-48, 2008.

HUANG, H. Structure of the fetal brain: what we are learning from diffusion tensor imaging. Neuroscientist, v. 16, n. 6, p. 634-639, 2010.

LURIA, A. L. The working brain: an introduction to neuropsychology. New York: Basic Books, 1973.

MÁRMORA, C. H. C. A (a)praxia na doença de Alzheimer. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2013.

MEAD, G. Mind, self and society. University of Chicago Press, 1934.

MOLL, H.; TOMASELLO, M. Cooperation and human cognition: the Vygotskian intelligence hypothesis. Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci, v. 362, n. 1480, p. 639-648, 2007.

MOURA, M, L. S. O bebê do século XXI e a psicologia do desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1993.

PAPALIA, D. E.; OLDS, S. W.; FELDMAN. R. D. Desenvolvimento humano. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

REGO, T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

RHODES, F. H. T. Evolution. Nova Iorque: Golden Press, 1974.

SANTANA, S. M.; ROAZZI, A.; DIAS, M. G. B. B. Paradigmas do desenvolvimento cognitivo: uma breve retrospectiva. Estudos de Psicologia, v. 11, n. 1, p. 71-78, 2006.

SCHERER, C. A. A contribuição da música folclórica no desenvolvimento da criança. Educativ, v. 13, n. 2, p. 247-60, 2010.

SILVA, E. R. As relações entre cognição e afetividade em LA: a influência de Vygotsky nessa abordagem temática. Soletras, v. 15, p. 133-140, 2008.

SMOLKA, A. L. B. Social practice and social change: activity theory in perspective. Human Development, v. 44, n. 6, p. 362-367, 2001.

VELASCO, C. G. Retrogênese: um processo a ser verificado. In: Velasco, C.G. Aprendendo a envelhecer à luz da psicomotricidade (p. 61-63). São Paulo: Phorte Editora, 2006.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R. Estudos sobre a história do comportamento: o macaco, o primitivo e a criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 11. ed. São Paulo: Ícone, 2010.

WERNER, J. Análise microgenética: contribuição dos trabalhos de Vigotski para o diagnóstico em psiquiatria infantil. Int. J. Prenataland Perinatal Psychologyand Medicine, v. 11, n. 2, p. 157-171, 1999.

WERTSCH, J. V. The significance of dialogue in Vygotsky’s account of social, egocentric and inner speech. Contemporary Educational Psycology, v. 5, p. 150-162, 1980.

WERTSCH, J. V. Vygotsky and the social formation of mind. Cambridge: Harvard Ed., 1985.

Publicado

2016-07-01